terça-feira, 15 de julho de 2008

Limites para aparências


O sentimento inicial ao escrever é receio. Receio?Pois é...receio de não ser compreendida porque geralmente costumo temer o desconhecido, mas prefiro chamar toda essa confusão interpretativa de instinto de sobrevivência, soa melhor que receio! E é sobre isso que eu gostaria de falar: mudanças superficiais para encobrir medos, ódios, amores ou quaisquer outros sentimentos e vontades.
Não seria mais fácil explicitar tudo? Seria, não fosse o pensamento dos outros, a reação dos outros, a opinião dos outros, os outros, os outros...sempre eles, por eles e para eles.Às vezes extrapolamos nosso senso crítico, nossos limites e até mesmo nossos princípios para sermos bem-quistos, bem-vistos e bem-amados pelos outros.
Sendo você constituído do que pensa e sente, a partir do momento que esses sentidos e capacidades são modificados para não gerarem comentários no grupo que você está incluso, seu “eu” também é modificado, e percebendo ou não, você muda de opinião, muda conceitos, enfim, você muda.
Mas se é “de mudanças que se vive à vida”, a influência quase imperceptível dos demais na sua rotina não deveria ser tida como algo maléfico ou sobrenatural, certo?
Nem sempre!Para tudo há um limite, se formos aceitando constantemente essas “influências” externas, corre-se o risco de perder autonomia sobre si mesmo e tornar-se uma mera marionete que age coordenado por...Outros.
Em contrapartida, atualmente saber agir e pensar em grupo e por um grupo passa a ser uma peculiaridade de poucos, e essa característica pode levar ao destaque profissional e pessoal. Mas não pense que a fórmula do sucesso é incorporar um espírito altruísta e sair por aí pensando somente no coletivo. Tendo um aspecto positivo sempre um negativo para equilibrar a balança da vida, é necessário levar em consideração o limite sutil que existe entre aceitar opiniões alheias e submeter-se a elas sem avaliação prévia, pelo simples fato de parecer democrático e assim ser aceito.Às vezes é bom (leia-se: necessário) defender ardentemente opiniões e atitudes, afinal, já dizia um antigo ditado “Quem segue a maioria nunca estará à frente dela”, para ser (digo ser, não parecer) sincera, não recordo a autoria desse ditado,talvez Voltaire, mas o que sei é que ele condiz com o tema e me trás a continuação de uma reflexão: sociedade Maria Vai-com-as-outras.
A influência social no comportamento das pessoas é inserida de maneira tão simplória que as mesmas adquirem modos coletivos de pensar e agir que resultam em uma única questão: parecer para agradar.
Não estou sugerindo que a partir de agora todos os seres pensantes do planeta revoltem-se com hábitos pré-estabelecidos e partam para uma possível “Guerra Moral”, na verdade o que pretendo mostrar com tudo isso é que a divergência de opiniões é um principio de sabedoria, porque somente analisando e criticando com fundamentos podemos avaliar a melhor atitude a ser tomada e valorizar a mesma para assim contribuir para o crescimento e melhoria de todos e para todos. Por isso o receio de não ser compreendida!

3 comentários:

Rachel disse...

Concordo!
Defenda suas idéias, lute pelos seus ideais!
bjuu

Leonardo Queiroga disse...

Belo início, Carol! Gostei...
Continue escrevendo!

Sidney Andrade disse...

Hey, alguém se apressou, hein?
Enfim, boas considerações.
xD