segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Algum título imbecil sobre uma mídia idem

Reaproveitamentos de trabalhos são exaustivamente gratificantes, do "ponto de vista" de que não apenas um #$!@# de um professor irá ler o que você desperdiçou tempo pra escrever.
Publico porque talvez tenha alguma coisa interessante pra vocês.

***

Segundo o sociólogo francês Pierre Bourdieu (nessa parte finjo que já o li), a mídia, os jornalistas ou a imprensa, como um todo, se permitem influenciar pela busca incessante pelo extraordinário, ou seja, fatos de repercussão nacional e internacional e dos quais acaba tornando-se subserviente.

Devido a essa busca pelo atípico, o que da mídia captamos é meramente e diariamente o ordinário, garantido pela repetição exaustiva das mesmas notícias "extraordinárias", "bombásticas" (com B) ou "catastróficas".

Embora a invasão de Isabelas, Champinhas, Von Histofens, PMs capacitados a matar inocentes e, mais recentemente, uma onda de bebês saltando de janelas; embora tal seja praticamente impossível de se evitar ao perpassar os órgãos de comunicação - é notícia vendável -, devemos à imprensa não apenas a informação que esta transmite, como também nossa alienação criminalística: o "culpado" acaba sendo o antagonista da novelinha que a mesma mídia nos apresenta.

É de sensacionalismo e denuncismo barato que vive nossa imprensa, a velha política do pão e circo que estamos adaptando.

3 comentários:

Carol Ferraz disse...

Só o desejo de mudar pelo jeito não basta...escândalos,fatos desumanos,assassinatos cruéis(mais do que os considerados "normais"...ôi?!!)vendem vendem e como vendem!
Apelando ao ditado popular:
"Pimenta nos olhos dos outros é refresco"...


Boa republicação Taiguara!
=D

Katarina Kelly Brito Castro disse...

eu pensei q fosse "Pimenta no cu dos outros..."

=x

vai ver aprendi errado.
hauauha

Taiguara Rangel disse...

Caro amigo NÍVEL, favor comparecer...